Psicosaber

Criança com atraso na fala pode precisar de ajuda profissional

Posted on: 11/03/2010

Não há nada simples na fala, nem no atraso da fala – a começar pelo desafio de seu diagnóstico.

Todo pediatra conhece a frustração de tentar qualificar habilidades da fala e da linguagem de uma criancinha que chora. Quantas palavras ele consegue dizer? Ela consegue colocar duas ou mais palavras juntas numa frase? Outras pessoas, que não você, conseguem entendê-lo quando ele fala? Perguntas como essas, feitas aos pais, são os parâmetros rápidos e crus que muitas vezes usamos.

Crua ou não, a avaliação é crucial: quanto mais cedo ela é feita, mais cedo a criança com atraso na fala pode receber ajuda. Quanto mais cedo a ajuda, melhores as perspectivas.

“O médico que entende o atraso na fala entende o desenvolvimento infantil”, afirmou James Coplan, pediatra de desenvolvimento neural em Rosemont, Pensilvânia, que criou um método para medir a linguagem da criança, do nascimento até os 3 anos.

“As crianças no primeiro ano entendem grande parte do que ouvem ao seu redor”, disse Diane R. Paul, diretora do grupo de questões clínicas em patologia da linguagem e da fala. Crianças de um ano, ela continuou, “começam a usar palavras soltas, seguir orientações simples, apontar para partes do corpo e ouvir histórias simples”. Com cerca de 2 anos, elas começam a unir palavras; aos 3, elas devem usar frases de, no mínimo, três palavras.

As primeiras expressões podem ser simples, mas o que as produz é muito complexo. Quando uma criança não alcança esses marcos, pode haver várias razões. Coplan, que também é autor do livro “Making Sense of Autistic Spectrum Disorders” (Random House, 2010), afirma observar o atraso na fala num contexto bastante amplo, da cognição à comunicação. Será que é um problema puramente relacionado com a fala e a linguagem, ou há um atraso mais amplo? Será que algo deu errado nas relações sociais da criança?

A primeira coisa é perguntar se a criança pode ouvir. Hoje, todos os recém-nascidos têm sua audição examinada antes de deixar a maternidade, mas exames posteriores podem captar perdas de audição progressivas ou adquiridas.

Próxima pergunta: e o resto do desenvolvimento da criança? O atraso na fala e na linguagem pode ser uma forma como pais e pediatras notam pela primeira vez um atraso mais amplo no desenvolvimento.

“Você pode observar atrasos na linguagem receptiva, no uso de habilidades visuais, como apontar, habilidades de adaptação, como usar uma colher ou um lápis de cera”, disse Coplan. “Uma criança de 1 ano e meio que não segue comandos, que não usa uma colher para cavar, isso é um atraso mais amplo”.

Questões de fala e linguagem também podem ser indícios precoces de transtornos de neurodesenvolvimento, incluindo as várias formas de autismo. Nem todas as crianças com autismo têm fala atrasada, embora muitas vezes elas não usem suas palavras para se comunicar; uma criança assim pode ter memorizado o alfabeto, disse Coplan, sem nunca der aprendido a dizer “mamãe e papai”.

Se o desenvolvimento e a audição da criança estão bem, uma questão é considerar o ambiente. Alguém conversa com o bebê? Algo está atrapalhando – talvez um lar excepcionalmente caótico, talvez um pai depressivo? O desenvolvimento da linguagem e da fala exige estímulo.

Pediatras foram culpados no passado por serem lentos na realização de diagnóstico de atraso na fala, mas os tempos são outros; Coplan reconheceu a defesa dos pais e programas federais de intervenção precoce, que fazem com que crianças com menos de 3 anos possam receber uma avaliação gratuita.

“Acho que os médicos, agora que têm um lugar aonde mandar as crianças, estão muito mais propensos a fazê-los, em vez de dizer: ‘Vamos aguardar para ver'”, disse ele. “Não encontro as histórias de terror que ouvia 20, 30 anos atrás, quando os pais diziam: ‘Passamos por cima das objeções do nosso médico'”.

Ainda assim, como pediatra, nem sempre gerenciei bem os pais. Uma vez cuidei de um menino com quem me preocupava. Na sala de exames, ele parecia não ter habilidades normais de comunicação; cada vez mais eu tinha certeza que ele tinha algum grau de autismo.

Achei que ele não estava aprendendo palavras, mas temia muito mais porque, até onde eu sabia, ele não fazia contato visual, nunca respondia de forma clara a qualquer coisa que seus pais diziam ou faziam, porque parecia desconectado de alguma forma.

Os pais do menino desprezaram minhas preocupações e se recusaram a consultar outro médico indicado. Quando ele estava em casa com a avó, insistiam os pais, o menino conseguia se comunicar perfeitamente. Ele não precisava de ajuda.

Nesse caso, fiz o diagnóstico certo, mas minhas próprias habilidades de comunicação não foram suficientes. Houve também o caso em que garanti aos pais: sua filha pode não falar tanto quanto a irmã quando tinha essa idade, mas ela diz muito mais que o mínimo para uma criança de 2 anos, ela entende tudo que vocês dizem e consegue obedecer a comandos complexos. Vamos aguardar para ver, vamos dar um tempo. Será que acertei dessa vez?

Os pediatras são sempre lembrados a ficarem atentos a atrasos na fala e na linguagem –não dar de ombros e simplesmente dizer que os meninos começam a falar depois das meninas, ou que irmãos mais novos começam a falar mais tarde em relação aos mais velhos. Esses fatores podem contribuir para uma variação normal, mas eles não deveriam ser usados para explicar o motivo pelo qual uma criança não alcança os marcos essenciais.

Como todo pediatra sabe, os verdadeiros especialistas nessa história são os patologistas de fala e linguagem.

Paul deu dicas genéricas a pais que querem melhorar as habilidades de comunicação de seus filhos: “Fale com sua criança sobre o que elas estão focadas. Leia para seu filho com frequência. Se eles são de uma família bilíngue, fale e leia para a criança na língua com a qual você se sente mais confortável. Fale claramente e de forma natural, use palavras reais. Mostre empolgação quando a criança fala”.

E ouça o que a criança tem a dizer.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u697648.shtml

About these ads

3 Respostas to "Criança com atraso na fala pode precisar de ajuda profissional"

Boa Noite, gostei muito dessa matéria, pois a algum tempo tenho procurado esclarecimentos referente o atraso na fala, já que tenho um filha de 3 anos 10 meses que ainda não consegue falar nem 1 frase completa, embora o desenvolvimento motor, de ser focada e compreender o qeu dizemos, a fala não apresentou quase nenhuma melhora desde o 1 ano e meio, quando ela começou a tentar a falar.
Agradeço a ajuda.

Também como a Eliane gostei muito da matéria publicada, mas preciso de mais informação pois como pai me preocupo com meu filho. Ele completou 3 anos dia 28 de dezembro e ainda não fala. vez ou outra sai um mama ou um papa. Estou levando meu filho para buscar mais informação sobre sua situação, chego quase a conclusão que ele é autista, porém essa não é minha area de atuação profissional. Ele é bilingue e escuta muito bem, tem uma capacidade fisica muito boa, um equilibrio praticamente perfeito pois raramente cai, e entende tudo o que eu como pai falo e o que a mãe fala cada um em seu idioma. Ele apreendeu a nadar com 2 anos e agora comprei uma bicicleta que ele está começando a aprender. Apresenta dificuldade para dormir as vezes e é muito ativo, que avalio como uma hiperatividade. preciso de ajuda para errar o menos possivel com ele e ajuda-lo da melhor forma possivel. Caso ele seja autista nós estamos dispostos a enfrentar pois ele é parte de nós, mas precisamos saber mais.

Gostei muito da matéria! Muito Importante!!
Preciso expor minha preocupação:
Tenho gêmeos com 2 anos e 3 meses.Nasceram prematuros (26 semanas de gestação).
Desde novembro passei a leva-los a um profissional pois não falam.
As vezes sai: papai, mama, àgua, au au, mas, raramente.
Devido ao histórico de prematuridade. O profissional tem dito que é normal.
Eles tem um desenvolvimento motor muito bom e equilíbrio tambem. Começaram agora a pedalar um “velotrol”.
Entendem muito bem o que a gente fala e chega a auxiliar nas funções.
Porém este atraso na linguagem está nos deixando muito preocupados. Podem me dar alguma orientação? O que posso fazer…que profissional procurar?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 122 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: