Psicosaber

Esqueça a amizade colorida; vêm aí os “casados por um dia”

Posted on: 12/01/2011

GISELA RAO
Colaboração para o UOL

Está chegando um novo estilo de se relacionar entre homens e mulheres

Silvia e Ricardo se conhecem no Skype e ficam bem amigos. Papo vai, papo vem, começam a se lembrar dos momentos bons dos seus casamentos com os respectivos ex. Sim, dá certa saudade. Então, resolvem experimentar a fantasia de fingir que são casados durante um fim de semana. Na sexta-feira, ela vai para a casa dele. Na “programação”, incluem ir ao cinema, passear de moto e transar. E ele ainda a apresenta como “minha mulher” no restaurante japonês. No domingo, ela volta para a sua casa, tudo numa boa. Talvez façam isso novamente, talvez nunca mais.

Já Sandro tem uma amiga que, às vezes, precisa ir ao Estado onde ele mora. Ela fica na casa dele por alguns dias e, como os dois são solteiros, aproveitam para viver como um casal. Ele cozinha para ela, assistem à TV de mãos dadas, ela faz massagem nele etc. Antes de ir embora, ela pede uma avaliação de como se saiu como “esposa” para os futuros relacionamentos.

Sim, está chegando aí um estilo de relação que podemos chamar de “casados por um dia”.

“Os modelos tradicionais de comportamento não estão mais dando respostas satisfatórias. Abre-se, assim, um espaço para cada um escolher sua forma de viver, o que é uma grande vantagem. Afinal, enquadrando-se em modelos as pessoas perdem suas singularidades e todas se tornam parecidas”, afirma a psicanalista e sexóloga carioca Regina Navarro Lins. Para ela, tudo indica que daqui a algumas décadas haverá uma grande variedade de relacionamentos. “No futuro, as pessoas experimentarão diferentes formas de estar juntas. Pode haver relações duradouras, mas talvez não sejam predominantes. Os ‘casados por um dia’ podem ser um sinal disso”, acredita a psicanalista.

Para a psicóloga junguiana Neiva Luci, casamento no modelo tradicional, com a característica da dependência psicológica – “eu não existo sem você” – está fadado a não progredir. Isso porque, hoje, cada um existe por si só, reconhece sua individualidade, suas preferências e anseia por viver as suas capacidades, descobrir os seus dons e realizar fazendo a diferença. “Quanto mais presos às regras e ao controle social, ao repetir para não causar conflito, mais temos frustração com a pessoa que somos e com as relações que queremos – sem realmente querer. Aí repetimos, nos frustramos, sofremos… Para muitos, é uma dependência emocional em que se vive como prisioneiro de um círculo vicioso”, completa Neiva.

VEJA O QUE PENSA UM “MARIDO POR DIA”

UOL Estilo Comportamento – Como é para um homem a experiência de ser “casado por um dia”? O que supre?

Ricardo -Não sei se é para todos os tipos de homem. Acho que deve ser só para quem valoriza o fato de olhar no olho da outra pessoa, ser de fato “visto” e não julgado. Mas posso dizer que por mim é como ir ao parque de diversões. É especialmente bacana quando há sintonia e se sabe que todos querem se divertir, mas com carinho no final e sem “ti amu” acoplado no default.

É diferente da amizade colorida em quê?

Ricardo – Por mais que se chame amizade, ainda rola tensão. Aliás, quanto mais colorida, mais tensão. O ciúme na “amizade colorida” não é realmente ignorado. Tente falar com naturalidade de outras pessoas coloridas para sua amiga da hora e veja as cores se escurecendo rapidamente até bater um teto preto! Como o “casamento por um dia” tem prazo de validade, ninguém tem expectativas e ninguém cobra ninguém. Eu acredito que o resultado tem muito a ver com a bagagem emocional, com a maturidade relativa dos pares.

VEJA O QUE PENSA UMA “ESPOSA POR UM DIA”

UOL Estilo Comportamento – Como é para uma mulher ter esse tipo de experiência? O que supre?

Silvia – Certamente a carência nossa de cada dia. Não é fácil ser uma mulher solteira no Brasil, nos cobramos demais. E, diminuindo a carência, a ansiedade vai embora junto, e as chances de encontrar alguém fixo aumentam muito.

É diferente da amizade colorida em quê?

Silvia – Na amizade colorida eu tenho a mesma sensação que um carro alugado deve ter. É estranho, é mais vazio e você acaba tendo uma ponta de esperança que vire namoro. No esquema “casados por um dia” é tudo muito mais profundo, sem pressa, é muito divertido e prazeroso. Ninguém se frustra.

Dicas para você se dar bem no esquema “casados por um dia”

1. Tenha uma expectativa tão alta quanto o tatoo da Ilha da Fantasia

2. Cobrador, aqui, nem o do ônibus. O objetivo é ser tudo muito light.

3. Aproveite o máximo possível para ouvir o retorno do seu “marido por um dia” sobre a sua performance como mulher dele (e vice-versa). Faça dele um espelho. Já diz o provérbio: “Diga a verdade e saia correndo”.

4. Tente não fazer muita bagunça na casa dele. A casa do “marido por um dia” não é a manhã seguinte da “Festa do Peão Boiadeiro”.

5. Sem estresse! Nada de “discutir a relação” e muito menos de brigar porque você quer ver “O Amor é Lindo” e ele, “Rambo Reload”.

Fonte: Uol

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 121 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: