Cheiro de livro novo

leitura

Eu gosto do cheiro do livro novo, mas a minha paixão verdadeira são os livros antigos, velhos, aqueles com páginas amareladas, letras meio desbotadas e lombada descolando.

A minha relação com os livros velhos é meio nostálgica. Isso porque, toda vez que seguro um, lembro-me dos primeiros exemplares que li: livros velhos, desbotados e que estavam esquecidos no fundo de um baú ou largados no canto da sala, na casa de um amigo.

Obrigado a todos aqueles que esqueceram estes livros pelo caminho, sem eles, eu não teria descoberto o prazer da leitura.

Jorge Cristiano

#livros #literatura #leitura #classicosdaliteratura #obrasliterarias #gostodeler

Adolescência agora acaba aos 25 anos, segundo psicólogos

A adolescência acompanha a atual compreensão de maturidade emocional, desenvolvimento hormonal e atividade do cérebro.

A ideia busca evitar que crianças e jovens se apressem e se sintam pressionados a atingir marcos importantes
A ideia busca evitar que crianças e jovens se apressem e se sintam pressionados a atingir marcos importantes

Adulto aos 18 anos? Não mais. Agora a adolescência termina aos 25 anos, de acordo com diretrizes atualizadas e dadas a psicólogos infantis. A ideia busca evitar que crianças e jovens se apressem e se sintam pressionados a atingir marcos importantes, o que pode levar a um complexo de inferioridade caso não os atinjam. Os dados são da BBC.

“A ideia de que, de repente aos 18, você é um adulto não soa verdadeira”, diz a psicóloga infantil Laverne Antrobus, que trabalha na Tavistock Clinic de Londres. “Minha experiência com os jovens é a de que eles ainda precisam de uma quantidade bastante considerável de apoio e ajuda para além dessa idade”, completou.

A mudança acompanha os acontecimentos na compreensão de maturidade emocional, desenvolvimento hormonal e atividade do cérebro. O desenvolvimento cognitivo de uma pessoa jovem, por exemplo, continua em um estágio mais tardio e a maturidade emocional, a autoimagem e julgamento serão afetados até que o córtex pré-frontal do cérebro esteja totalmente desenvolvido.

Agora, existem três fases da adolescência: início da adolescência entre 12 e 14 anos, adolescência média entre 15 e17 anos, e adolescência final de 18 a 25 anos. “Alguns adolescentes podem querer ficar mais tempo com suas famílias, porque eles precisam de mais apoio durante esses anos de formação e é importante que os pais percebam que os todos jovens não se desenvolvem no mesmo ritmo”, completou Laverne.

 

Fonte: http://saude.terra.com.br/bem-estar/adolescencia-feliz-aumenta-bem-estar-na-vida-adulta,c4183f04c2f27310VgnCLD100000bbcceb0aRCRD.html

Adolescência agora acaba aos 25 anos, segundo psicólogos

A adolescência acompanha a atual compreensão de maturidade emocional, desenvolvimento hormonal e atividade do cérebro.

shutterstock_134992751

Adulto aos 18 anos? Não mais. Agora a adolescência termina aos 25 anos, de acordo com diretrizes atualizadas e dadas a psicólogos infantis. A ideia busca evitar que crianças e jovens se apressem e se sintam pressionados a atingir marcos importantes, o que pode levar a um complexo de inferioridade caso não os atinjam. Os dados são da BBC.

“A ideia de que, de repente aos 18, você é um adulto não soa verdadeira”, diz a psicóloga infantil Laverne Antrobus, que trabalha na Tavistock Clinic de Londres. “Minha experiência com os jovens é a de que eles ainda precisam de uma quantidade bastante considerável de apoio e ajuda para além dessa idade”, completou.

A mudança acompanha os acontecimentos na compreensão de maturidade emocional, desenvolvimento hormonal e atividade do cérebro. O desenvolvimento cognitivo de uma pessoa jovem, por exemplo, continua em um estágio mais tardio e a maturidade emocional, a autoimagem e julgamento serão afetados até que o córtex pré-frontal do cérebro esteja totalmente desenvolvido.

Agora, existem três fases da adolescência: início da adolescência entre 12 e 14 anos, adolescência média entre 15 e17 anos, e adolescência final de 18 a 25 anos. “Alguns adolescentes podem querer ficar mais tempo com suas famílias, porque eles precisam de mais apoio durante esses anos de formação e é importante que os pais percebam que os todos jovens não se desenvolvem no mesmo ritmo”, completou Laverne.

 

Fonte: http://mulher.terra.com.br/comportamento/,96f732af94551410VgnVCM3000009acceb0aRCRD.html

O risco dos estimulantes na infância

Crianças distraídas demais estão prestes a se enquadrar em um novo distúrbio, que já está no alvo de laboratórios. Isso pode aumentar o uso já exagerado – e perigoso – de estimulantes na infância.

Insônia e ansiedade são efeitos colaterais comuns dos estimulantes para crianças. Muitas vezes, esses problemas são contornados com outras drogas psicotrópicas.
Insônia e ansiedade são efeitos colaterais comuns dos estimulantes para crianças. Muitas vezes, esses problemas são contornados com outras drogas psicotrópicas.

 

Está ficando difícil ser normal. Crianças entram nos consultórios pediátricos sendo agitadas, temperamentais ou desatentas e passam pela porta de saída levando alguma síndrome e a receita de uma droga. As próximas a sair da curva da normalidade, cada vez mais estreita , são aquelas que vivem com a cabeça no mundo da lua.

Há um movimento na Psiquiatria que defende a legitimação do Tempo Cognitivo Lento (Sloggish Cognitive Tempo), uma desordem que tem grandes chances de engrossar as páginas da futura edição do Diagnóstico de Saúde Mental (DSM). No início do ano, o Journal of Abnormal Child Psychology, publicação oficial da Sociedade Internacional de Pesquisas em Psicopatia Infantil, dedicou 136 páginas ao novo distúrbio, que poderia vir a disputar com o déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) o título de diagnóstico mais comum entre crianças e adolescentes.

Os defensores do novo termo alegam que muitas crianças com processamento mental mais lento são atualmente diagnosticadas com TDA H e, por isso, recebem o tratamento errado. Elas seriam apenas desatentas e letárgicas, sem trazer os sintomas da hiperatividade. Se a intenção é reduzir as taxas de uso de psicotrópicos na infância, a estratégia já deu errado: a grande parcela da população infantil que se encaixa nos sintomas do Tempo Cognitivo Lento já está no alvo dos laboratórios, que, certamente, vão encontrar uma nova fórmula para “ajudá-las”.

Representantes de uma grande empresa farmacêutica, ouvidos recentemente pelo jornal New York Times, já declararam que a nova condição está em estudo e estão sendo buscadas alternativas que satisfaçam necessidades não supridas pelas medicações existentes. Os laboratórios que não estão desenvolvendo nada específico, mas que trabalham com medicações para TDAH, podem se benefi ciar da semelhança entre os sintomas dos dois distúrbios e, dificilmente, perderão a oportunidade de ampliar seu público, já assustadoramente grande.

 

OS DEFENSORES DO NOVO TERMO ALEGAM QUE MUITAS CRIANÇAS COM PROCESSAMENTO MENTAL MAIS LENTO SÃO ATUALMENTE DIAGNOSTICADAS COM TDAH E, POR ISSO, RECEBEM O TRATAMENTO ERRADO. ELAS SERIAM, APENAS, DESATENTAS E LETÁRGICAS, SEM TRAZER OS SINTOMAS DA HIPERATIVIDADE

Os dados mais recentes do CDC (sigla para Centro de Controle e Prevenção de Doenças, em inglês) apontam que 11% das crianças, entre 4 e 17 anos, foram diagnosticadas com TDAH nos estados unidos, em 2011, sendo que mais da metade fazia uso contínuo de medicação. A incidência, portanto, é bem maior do que o previsto pelo dsm, de 5%. o Brasil é o segundo maior mercado mundial de metilfenidato (Ritalina), atrás dos estados unidos.

É possível que a taxa tenha aumentado ainda mais, nos últimos meses, com a conclusão, em maio de 2013, da quinta edição do DSM, que afrouxa os critérios para avaliação do distúrbio, sugerindo que os sintomas devem ser “inconsistentes com o nível de desenvolvimento”, enquanto no dsm-iv eles deveriam “ser mais frequentes e severos que os tipicamente observados em indivíduos com nível comparado de desenvolvimento”. a idade limite para aparição dos sintomas foi ampliada de 7 para 12 aos, fase em que o comportamento pode sofrer alterações facilmente associadas aos sintomas de TDAH.

Não faltam motivos para questionar os diagnósticos – principalmente quando envolvem medicação. Um deles é a incidência de TDAH muito maior entre crianças nascidas no fim do calendário escolar. Pesquisadores da British Columbia Universityanalisaram, em 2012, dados de 900 mil crianças canadenses e concluíram que o índice de consumo de estimulantes, tipo Ritalina, era 77% maior entre as meninas e 41% entre os meninos mais novos da sala. Isso torna evidente que grande parte dos estudantes das séries iniciais estão tomando remédios por serem, simplesmente, mais imaturos do que seus colegas.

Ainda passam pela peneira do distúrbio uma quantidade imensurável de crianças temperamentais e agitadas, que não são, devidamente, disciplinadas pelos pais. “muitas vezes, os pais perdem a confiança em sua autoridade moral e tentam impor regras confusas e contraditórias. especialmente, quando são informados por ‘especialistas’ que há uma desordem biológica com o filho e, portanto, os esforços para melhorar sua autoridade sobre a criança seriam em vão”, avalia o psiquiatra americano Peter R. Breggin, em seu livro Medication Madness (não editado no Brasil). Membro da Associação Americana de Psiquiatria e fundador do Centro internacional para o estudo da psiquiatria e psicologia, Breggin é autor de diversos livros e estudos, que colocam em questão o efeito dos psicotrópicos.

Ele aconselha o desenvolvimento de um programa disciplinar paralelo à retirada gradual da medicação. Com quatro décadas de experiência clínica, o médico afirma, com segurança, que todos os seus pacientes se saíram melhor sem as drogas. “enquanto os pais trabalham sua relação com o fi lho, a própria criança aprende a se autodisciplinar. mas ela jamais poderá fazer isso, enquanto acreditar que tem um distúrbio e que necessita de remédios”, destaca.

CAUSAS E TRATAMENTOS
A partir de neuroimagens de 234 crianças com TDAH, um estudo de 2012, publicado no jornal Biological Psychiatric, sugeriu atraso no desenvolvimento de áreas do córtex pré-frontal, responsável pela modulação do controle social. essa conclusão se soma a outras especulações – desde pouco oxigênio na hora do parto, até desequilíbrio no sistema dopaminérgico – que buscam comprovação biológica do distúrbio.

POR SER ABSORVIDO MAIS LENTAMENTE NA CORRENTE SANGUÍNEA QUE DROGAS ILEGAIS, OS EFEITOS COLATERAIS DOS ESTIMULANTES USADOS PARA TDAH SÃO, APARENTEMENTE, MENOS SEVEROS

Oficialmente, o que temos por enquanto é que “cientistas não estão certos sobre o que causa TDAH, embora muitos estudos sugiram que há uma grande contribuição genética. Como outras condições neurológicas, provavelmente resulta de uma combinação de fatores. Pesquisadores estão buscando possíveis fatores ambientais”. A declaração do instituto nacional de saúde mental Americano (NIMH) reflete as incertezas sobre as quais se formam o diagnóstico, tão controverso e suscetível a erros.

Fundador do Centro de diagnóstico e desenvolvimento, em Chicago, e membro da academia americana de neurologia, o neurologista Richard Saul defende uma nova forma de olhar o TDAH: como um produto de uma condição primária e não como um distúrbio isolado. saul trabalha há cerca de 50 anos com crianças que apresentam sintomas de hiperatividade e défi cit e atenção.

Com experiência de quem tratou milhares de pacientes, ele afirma que, em nenhum caso que atendeu até hoje, o diagnóstico era independente de outra condição. E quando esta outra condição é investigada e devidamente tratada, os sintomas de TDAH tendem a desaparecer. em muitos casos, o que para outros médicos é comorbidade, para ele é a causa.

O neurologista listou 20 condições associadas ao comportamento típico de TDAH: de superdotação e problemas de visão e audição até síndromes, geralmente, mais debilitantes, como a do alcoolismo fetal. problemas oculares estariam, segundo ele, entre as mais simples e mais ignoradas explicações para comportamentos confundidos com TDAH em crianças. Deve-se investigar, ainda, possível falta de sono, falta de ferro na alimentação, dislexia, epilepsia, hipertireoidismo, transtorno obsessivo- -compulsivo, síndrome de tourette e distúrbio bipolar, para citar os principais.

Assim como o diagnóstico, o tratamento com estimulantes é bastante controverso. não há como questionar os efeitos milagrosos do metelfenidado (Ritalina e Concerta) em crianças “incontroláveis” e desfocadas. Essa droga, que o DEA (Drug Enforcement Administration) coloca na mesma categoria da cocaína, por agir de forma semelhante no cérebro, de fato ajuda o paciente a focar em tarefas monótonas e repetitivas, o que pode ser uma bênção para pais e professores. isso acontece, apenas, enquanto a criança está sob o efeito da medicação. Como um band- -aid, a droga não trata, apenas mascara o problema até o efeito passar. E o preço para isso pode ser muito alto.

 

Por ser absorvido mais lentamente na corrente sanguínea que drogas ilegais, os efeitos colaterais dos estimulantes usados para TDAH são, aparentemente, menos severos. Assim como a cocaína, os estimulantes alteram o nível de neurotransmissores no cérebro, elevando a atividade de dopamina e noradrenalina. depois de algum tempo de uso, o cérebro ajusta sua produção natural desses químicos às alterações provocadas pelo medicamento, causando tolerância e possível dependência.

A tolerância é compensada com doses maiores e, muitas vezes, associadas a um segundo psicotrópico com ação antidepressiva ou ansiolítica, para minimizar os efeitos de ansiedade, depressão e humor apático, que, comumente, acompanham o uso de estimulantes. e a química do cérebro em desenvolvimento da criança é bagunçada por um coquetel diário de drogas.

Para acompanhar esses efeitos comuns da ação do metilfenidato, outros problemas físicos e psiquiátricos costumam aparecer, como perda de apetite, letargia, insônia, perda de peso, supressão no crescimento, hipertensão, alterações de humor, paranoia, episódios psicóticos e alucinações. Na maior parte dos casos, a apatia ou “efeito zumbi” – decorrência de curto prazo mais comum do uso do medicamento – é sutil. Mas, algumas vezes, transforma-se em depressão severa, com risco de suicídio entre adolescentes.

 

ASSIM COMO A COCAÍNA, OS ESTIMULANTES ALTERAM O NÍVEL DE NEUROTRANSMISSORES NO CÉREBRO, ELEVANDO A ATIVIDADE DE DOPAMINA E NORADRENALINA

De acordo com Robert Whitaker, em seu premiado livro investigativo Anatomy of An Epidemic (não editado no Brasil), a relação do uso de anfetaminas e desenvolvimento de psicoses é apontada, por muitos psiquiatras, como uma das evidências de que a esquizofrenia estaria relacionada a um nível alto de dopamina no cérebro.

Em 2006, depois de receber mil registros reportando psicoses induzidas por estimulantes para TDAH, o FDA (Food And Drug Administration) lançou um relatório sobre esse risco. De acordo com a entidade, os pacientes não apresentavam riscos identificáveis, comprovando a origem iatrogênica do problema. sabe-se que esses relatórios representam apenas 1% do número de efeitos registrados nos consultórios, o que demonstra que não se tratam de episódios raros. “Quando a condição da criança começa a deteriorar, os médicos quase nunca atribuem a piora ao efeito da droga e, sim, aumentam a dose e receitam novas medicações”, lamenta Breggin.

A investigação de comportamentos, que causam prejuízos funcionais para a criança ou adolescente, não pode se restringir a uma rápida consulta onde é feito o check-list dos sintomas de TDAH que o DSM oficializou. E se a busca por uma melhora precisa, de fato, passar pela farmácia, é fundamental conhecer todos os riscos relacionados a uma solução química e de curto prazo.

Michele Muller é jornalista com especialização em Neurociência Cognitiva e autora do bloghttp://neurocienciasesaude.blogspot.com.br

 

Fonte: http://psiquecienciaevida.uol.com.br/ESPS/Edicoes/103/artigo322782-2.asp

 

Untitled

Imagem: Internet, editada pelo autor.

 

 

Esta manhã que me cobre de indolência
E eu nestes lençóis escarlates
Que me cobrem de preguiça.
[Eu não quero levantar].

Reviro-me na cama.
Puxo o cobertor
Para o lado que me viro
Num remexer de sonhos lânguidos.

Para quê levantar?
Abro os olhos, um pouco somente.
As persianas fechadas, banhadas
D’outro lado pelo Sol…

Sol…
O que tenho em mim são Luas.
Incontáveis Luas.

 

(Eduardo Magalhães)

Por que Lacan disse que “A Mulher não existe”?

Creio que essa frase seja uma das mais polêmicas já proclamadas pelo psicanalistaJacques Lacan. Mas creio também que isso se deva ao fato de a maior parte das pessoas não entenderem porque Lacan a disse e considerá-la apenas como mais uma justificativa para o preconceito segundo o qual a Psicanálise é machista. Portanto, vamos tratar de botar os pingos nos “is”.

Uma das características mais geniais de Lacan era a sua capacidade de pegar as teorias elaboradas por Freud e tirar delas algumas frases de efeito. Esse é o caso de “A Mulher não existe”. É óbvio que Lacan não está dizendo que os seres do sexo feminino (com vulva, vagina, ovários e etc.) não existam. Ele não era psicótico a esse ponto. O que ele está dizendo é que as mulheres existem, mas A Mulher não. Para entender de onde ele tirou isso, convido meus caros leitor e leitora para um exercício de imaginação.

Imaginem que vocês se encontram por volta das idades de 4 ou 5 anos. Agora, se imaginem (nessa idade) vendo os corpos nus de um menino e de uma menina. Qual a primeira diferença que vocês irão notar? É óbvio: que no menino há uma coisa entre as pernas e que na menina não há uma coisa no meio das pernas. Lembrem-se: nessa época (4 a 5 anos) a gente, mesmo que tenha lido os livros de ciência, ainda não tem como certa a existência do órgão sexual feminino (a vagina). Então, o que a gente vê é que no menino há uma coisa e na menina não há uma coisa. Qual a conclusão mais óbvia a ser tirada dessa visão? A de que o menino possui aquilo que na menina falta.

Então, senhoras e senhores, como vai se inscrever na cabecinha de todos nós a diferença entre os sexos, quer dizer, como é que a gente vai interpretar o que é homem e o que é mulher? A partir desse objeto que o homem tem e a mulher não tem. Portanto, na nossa cabeça (Lacan diria, na ordem simbólica) a gente tem como dar uma resposta para a pergunta “O que é o homem?”. Qual resposta? “O homem é aquele que possui o objeto”. Agora, para saber o que é a mulher a gente só tem uma definição negativa: “A mulher é aquele ser que não é homem, ou seja, que não tem o objeto”. Mas essa resposta não serve! Afinal, a gente poderia dizer: “Beleza, se a mulher não é o homem então o que ela é?” É uma pergunta para a qual não se tem a resposta porque no caso da mulher não há esse objeto que a represente.

Conclui-se então que a idéia do que é a mulher, de sua essência, de seu desejo realmente não existe. Por quê? Porque diferentemente do homem ela não tem um objeto que a represente – esse objeto Freud chamou de “falo”. Então, na nossa cabeça, no mundo simbólico, a mulher não tem representação. Por isso, Lacan diz que “A Mulher (e aí a gente pode completar com: “A mulher enquanto representação do que é a mulher”) não existe”.

Isso é ruim? Ao meu ver, muito pelo contrário! Meus alunos e alunas de aulas particulares conhecem muito bem o que pensoa respeito disso. Se a mulher não tem uma representação de si mesma, isso significa que ela pode inventar sua essência! É por isso, por exemplo, que nenhuma mulher gosta de encontrar numa festa outra mulher com o mesmo vestido dela. Mulher gosta de se sentir única, singular, exatamente porque ela não tem uma definição padrão do que é ser mulher. Já homem não. Homem gosta do mesmo, do padrão. Numa festa de gala, estão todos de terno. São raríssimas exceções os que querem se diferenciar – e não são vistos com bons olhos.

Por isso, minha cara leitora, quando ouvir por aí um lacaniano dizer que “A Mulher não existe”, dê graças a Deus, pois ao “não existir” ela precisa “se fazer existir”, cada uma a seu modo…

Fonte: Lucas Napolis

Pessoas deixam de ser jovens aos 28 anos, diz pesquisa

 

Pessoas deixam a juventude para trás aos 28 anos, de acordo com uma pesquisa realizada pelo site de namoro Seeking Arrangement. O sinal mais popular da mudança é a carreira se tornar mais importante do que a vida sexual, segundo os entrevistados. Os dados são do jornal Daily Mail.

O levantamento contou com a opinião de 1 mil membros do site. Do total, 37% das mulheres e 39% dos homens apontaram os 28 anos como o momento em que se deixa de ser jovem. Em segundo lugar ficou os 30 anos, escolhido por 27% delas e 24% deles.

Entre os indícios do “envelhecimento”, estão desejar comprar um imóvel em vez de alugar, não ter ideia de qual é a música número um das paradas e começar a procurar um marido/esposa. Outros detalhes são preferir viagem de férias em casal do que com amigos e deixar de ir a baladas.

Fonte: Uol

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑