“Nossa única defesa contra a morte é o amor”

“Nossa única defesa contra a morte é o amor”, disse certa vez José Saramago, a quem não só o amor ajudou-o a combater essa morte que o levou hoje, aos 87 anos. Também colaboraram para isso os inúmeros romances escritos por ele ao longo de sua vida e que foram reconhecidos com o Prêmio Nobel em 1998.

De origem humilde, Saramago escolheu a literatura porque não gostava do mundo em que vivia. Seus romances abordam reflexões sobre alguns dos principais problemas do ser humano; fazem o leitor pensar, o estremecem e comovem. Seus personagens estão cheios de dignidade.

Nascido em 16 de novembro de 1922 em Azinhaga, uma aldeia do Ribatejo (Portugal), José de Sousa ficou mais conhecido pelo apelido de sua família paterna, Saramago, que o funcionário do Registro Civil acrescentou ao inscrevê-lo.

Quando tinha dois anos, sua família se transferiu para Lisboa, mas nunca rompeu seus laços com Azinhaga.

Embora tenha sido um aluno brilhante, teve de abandonar os estudos cedo porque sua família não dispunha de recursos para financiá-los.

Antes de dedicar-se totalmente à literatura e de se transformar em um dos melhores romancistas do século 20, Saramago trabalhou como serralheiro, mecânico, editor e jornalista. Foi diretor-adjunto do “Diário de Notícias”, de Lisboa.

Mas seu maior sonho era ser escritor. Em 1947, publicou seu primeiro romance, “Terra do Pecado”. Nessa mesma época avivou dentro dele a consciência política que sempre o acompanhou e que levou a filiar-se em 1969 ao Partido Comunista Português.

Após um silêncio de quase 20 anos, nos quais esteve sem publicar porque justificava que não tinha “nada a dizer”, Saramago passeou pela poesia entre 1966 e 1975 e escreveu “Os Poemas Possíveis”, “Provavelmente Alegria” e “O Ano de 1993″.

Como dizia à Efe quando Alfaguara, sua editora espanhola, publicou “Poesia completa”, em 2005, ele nunca foi “um poeta genial” nem “um grande poeta”. Apenas se considerava “um bom poeta”.

Em 1977, veio a luz o romance “Manual de Pintura e Caligrafia”, ao qual seguiu o livro de contos “Objeto Quase” (1978) e a obra teatral “A Noite” (1979).

Nos anos 80, voltou ao teatro com “Que Farei com Este Livro?” (1980), o relato “Alçado do Solo” (1980-Prêmio Cidade de Lisboa) e o livro de viagens “Viagem a Portugal” (1981).

Com estas obras, Saramago já tinha construído as bases da sua trajetória. Mas foi em 1982 que ganhou fama mundial com “Memorial do Convento” que lhe valeu o Prêmio do PEN Clube Português, distinção que voltou a receber em 1984 com “O Ano da Morte de Ricardo Reis”, também reconhecido com o Prêmio Dom Dinis da Fundação Casa de Mateus.

A partir daí seu prestígio foi se consolidando com títulos como “A Jangada de Pedra” (1986), levada ao cinema em 2002 pelo diretor holandês George Sluizer e a peça teatral “A Segunda Vida de Francisco de Assis” (1987); e “História do Cerco de Lisboa” (1989).

Em 1991, publicou o romance “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, muito criticado pelo Vaticano e objeto de um polêmico veto em 1992, quando foi retirado da lista de candidatas ao Prêmio Literário Europeu para o qual tinha sido selecionado por um júri do PEN Clube de Portugal e a Associação de Críticos literários portugueses. Apesar de tudo, esta obra recebeu o prestigioso Prêmio da Associação de Escritores de Portugal (1992).

Esse último ano obteve o Prêmio Internacional Flaiano de Literatura com seu romance “Uma Terra Chamada Alentejo”.

Os problemas que teve em Portugal o levaram em 1993 a transferir sua residência à Espanha, concretamente à ilha canária de Lanzarote, acompanhado por sua segunda mulher, a jornalista espanhola Pilar del Río, tradutora do escritor.

Após publicar sua quarta obra de teatro, “In Nomine Dei” (Grande Prêmio de Teatro da Associação Portuguesa de Escritores), entrou a fazer parte do Parlamento Internacional de Escritores.

O ano 1995 foi especial para ele, com a obtenção do Prêmio Camões ao conjunto de sua obra e a publicação do “Ensaio sobre a Cegueira”, primeira obra de sua trilogia sobre a identidade do indivíduo, que continuou com “Todos os nomes” (1998) e fechou com “Ensaio sobre a lucidez” (2004).

O primeiro volume da trilogia foi levado ao cinema em 2008 pelo diretor brasileiro Fernando Meirelles, que no Brasil ganhou o mesmo nome do título original, “Ensaio sobre a Cegueira”.

Seus inegáveis méritos como romancista foram finalmente reconhecidos em 1998 com o Prêmio Nobel de Literatura, concedido por ter criado uma obra na qual “mediante parábolas sustentadas com imaginação, compaixão e ironia, nos permite continuamente captar uma realidade fugitiva”.

Nos últimos anos, Saramago não deixou passar muito tempo entre um romance e outro. Era consciente de sua idade e, como disse à agência Efe em entrevista, tinha “ainda algo para dizer”, e o melhor é que o dissesse “o mais rápido possível”.

Embora também dizia que “chegará o dia em que se acabarão as ideias, e nada iria ocorrer”.

Fruto dessa urgência escreveu os romances “A Caverna” (2000); “O Homem Duplicado” (2002); “As Intermitências da Morte” (2005); “As Pequenas Memórias” (2006); “A Viagem do Elefante” (2008); e “Caim” (2009), seu último romance.

Entre suas obras figuram também os autobiográficos “Cadernos de Lanzarote”.

Saramago era consciente do poder que tinha a internet para divulgar qualquer ideia, e em setembro de 2008 criou um blog, intitulado O Caderno. Foi “um espaço pessoal na página infinita de internet”, segundo suas palavras.

A morte o surpreendeu quando preparava um romance sobre a indústria do armamento e a ausência de greves neste setor, ou pelo menos essa era a ideia que queria desenvolver, como disse quando apresentou “Caim” em novembro de 2009.

fonte: EFE [via Folha.com]
caricatura: Sergei Cartoons

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: