Envelhecimento pode não estar associado a perda de neurônios

Neurônio binucleado de preá idoso: cada seta aponta para um núcleo

Uma série de pesquisas realizadas na Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da USP sugere que o processo de envelhecimento não está, obrigatoriamente, associado a uma diminuição no número de neurônios, podendo este número se manter estável ou até mesmo aumentar nas pessoas idosas. As pesquisas estão sendo realizadas no Laboratório de Estereologia Estocástica e Anatomia Química (LSSCA) do Departamento de Cirurgia da FMVZ, sob a coordenação do estereologista Antonio Augusto Coppi.

Segundo o professor, de 1954 até 1984, o uso de métodos de análise inadequados em diversas pesquisas nacionais e internacionais conduziu os cientistas a acreditarem que, ao envelhecermos, nosso cérebro perdia células nervosas. “Porém, a partir de 1984, com a publicação do método estereológico, os pesquisadores menos resistentes contestaram os resultados anteriores, iniciando o emprego da quantificação de neurônios por estereologia (3D)”, conta.

A Estereologia é uma ciência que permite a análise não apenas em duas dimensões (comprimento e largura), mas também levando em conta a profundidade (3D) e até mesmo o fator tempo (4D). Com isso é possível estimar o número total de objetos (e não apenas o número de perfis dos mesmos), o verdadeiro tamanho (volume), além de outros parâmetros, com precisão e acurácia. O LSSCA é uma referência mundial na área e representante da América do Sul junto à Sociedade Internacional de Estereologia.

Nos últimos nove anos, foram realizados no Laboratório diversos estudos nas modalidades de iniciação científica, mestrado, doutorado e pós-doutorado abrangendo o sistema nervoso periférico de roedores como ratos, cobaias, preás, cutias, pacas e capivaras, assim como de cães e cavalos.

Dentro de cada uma dessas espécies, os animais foram divididos em quatro grupos etários: neonatos (3 dias), jovens (1 mês), adultos (12 meses), senis (2 a 10 anos, dependendo da espécie estudada). Esses animais eram saudáveis e não apresentavam sinais clínicos de doenças no sistema nervoso, o que poderia interferir nos resultados.

As análises foram feitas com neurônios do gânglio cervical superior e do gânglio mesentérico inferior. Esses gânglios pertencem ambos ao sistema nervoso simpático, sendo que o primeiro inerva os vasos cerebrais e o coração, entre outros, e o último inerva os intestinos delgado e grosso. “É importante notar que células nervosas (neurônios) são encontradas não só no cérebro, mas também fora dele, em gânglios do sistema nervoso periférico”, aponta Coppi.

Resultados
Entre as conclusões inéditas está o fato de que, na maioria das espécies, o envelhecimento ocasionou um aumento no tamanho (volume) dos neurônios, ou seja, uma hipertrofia. Em cães, os pesquisadores encontraram aumentos de até 100% no tamanho do neurônio. “Não se sabe ao certo porque isso ocorre. Estudos recentes têm sugerido que a hipertrofia seria um mecanismo para manter a quantidade de substâncias produzidas pelos neurônios, como por exemplo, neurotransmissores, no advento de alguma doença ou perda de células”, afirma.

O comportamento do número de neurônios durante o envelhecimento foi extremamente variável nos animais estudados: nos cães o número aumentou 1.700%, ao passo que roedores selvagens idosos apresentaram o mesmo número de neurônios dos neonatos e jovens, ou seja, não houve diminuição no número destas células nervosas durante o envelhecimento. Já em cobaias, o número de neurônios diminuiu 21%.

“Os resultados sugerem que não existe um padrão específico em relação ao número total de neurônios durante o envelhecimento, pois nossos achados mostram 3 situações claras: diminuição, aumento ou estabilidade no número de células nervosas”, afirma Coppi.

Um dado que gerou surpresa nos pesquisadores foi a presença de células nervosas se dividindo em roedores selvagens idosos (preás e cutias). “Esta constatação coloca em dúvida um dogma na neurociência de que os neurônios no sistema nervoso autônomo se dividem até o primeiro ou segundo mês de vida, e partir daí a divisão celular é interrompida”, destaca.

Binuclearidade
Coppi cita ainda uma outra descoberta importante: a existência de neurônios binucleados em cobaias e em outros roedores selvagens (preás, pacas, cutias e capivaras), tanto em animais neonatos quanto nos animais idosos. No entanto, tais neurônios binucleados não foram vistos em ratos ou camundongos.

Segundo o estereologista, uma das hipóteses para a existência de neurônios binucleados, é de que estes seriam uma reserva para o gânglio cervical superior, podendo os mesmos se dividir (inclusive no animal idoso) e gerar novos neurônios, na tentativa de compensar uma perda de células.

Os resultados destas pesquisas foram publicados em revistas médicas internacionais e com arbitragem, gerando 6 artigos científicos completos. Adicionalmente, foram produzidas duas dissertações de mestrado, defendidas recentemente. Coppi cita ainda que estas pesquisas foram financiadas pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Fonte: Uol

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: