Escola dos EUA adota sistema web para denúncia de bullying

Lei estadual, aprovada após caso que terminou em suicídio, inspirou desenvolvedor a criar aplicativo que permite até denúncia anônima.

Um distrito escolar de Massachusets (EUA) espera que um software possa ajudar a evitar tragédias como a de Phoebe Prince, uma adolescente de origem irlandesa que se suicidou em janeiro depois de uma suposta campanha de bullying por colegas de escola.

Motivados pelo caso, os deputados do Estado americano aprovaram uma lei obrigando as escolas a criarem planos antibullying, bem como fornecer uma forma anônima de denunciar incidentes de bullying.

A lei inspirou Edward Wall, de South Hadley, a desenvolver um aplicativo que permite a testemunhas de ações consideradas bullying informar, pela web, os administradores da escola – de forma anônima, se preferirem .

“Parece que precisávamos de algo assim”, disse Wall, que se formou no mesmo colégio em que houve o incidente. Sua empresa, Earshot Technologies, está doando o software à escola, mas espera vendê-lo a outras.

Quando alguém faz um relatório de atividade de bullying, vitimização ou qualquer outra ação ilegal, o sistema alerta os administradores da escola por uma mensagem de texto (SMS) e por e-mail. Se o administrador considerar a informação válida, ela poderá ser “ativada” por um período fixo de tempo, como uma semana.

Relatório final
Os relatórios ativos aparecem em painéis para outros funcionários, como professores e técnicos, que têm contatos mais intensos com o estudante em questão. Esses funcionários devem observar atentamente o estudante e submeter um relatório assim que o período de observação terminar. Esses relatórios são incluídos em um arquivo mestre, junto com a queixa original.

O sistema está recebendo alguns retoques finais e deve começar a ser usado no colégio em outubro, afirmou o diretor Dan Smith.

No mínimo, todas as partes envolvidas serão chamadas para uma discussão inicial sobre o relatório, explicou Smitch.

“Nunca haverá uma queixa diante da qual não poderemos fazer pelo menos isso”, afirmou. Essa reunião inicial vai determinar se uma investigação completa é necessária.

Depois de algumas discussões, a escola decidiu não permitir informes anônimos online, pelo menos por enquanto. Mas um sistema anônimo baseado em papel tem sido usado “para obedecer à lei”, afirmou.

Os responsáveis pela escola preocupam-se que pessoas de outras localidades, apenas para causar confusão, poderiam obter os nomes de estudantes da escola e usar o sistema da Earshot para registrar falsas denúncias, disse. “Nós acabaríamos correndo atrás do próprio rabo.”

Benefícios e desafios
De forma geral, tais sistemas trazem desafios para as escolas, tanto quanto benefícios, disse Eric Goldman, professor associado da Faculdade de Direito Universidade de Santa Clara e diretor do High Tech Law Institute.

Por um lado, as escolas devem estar preparadas para fornecer mão-de-obra suficiente para lidar com todos os relatórios, ou enfrentarão o risco de processos na Justiça, avaliou. “Se você pede, então é melhor estar preparado para responder.”

Mas as investigações de bullying são questões espinhosas, acrescentou. Por exemplo, o acusado poderia ser inocente e se queixar que seus direitos civis foram violados.

“A decisão do diretor de agir ou não carrega o peso da responsabilidade legal, seja qual for o caminho escolhido”, disse Goldman

(Chris Kanaracus).
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: