A Dama de Ferro: Um Retrato Humano de Margareth Thatcher

Meryl Streep, em soberba interpretação, concede à primeira-ministra, mulher, esposa e mãe, Margareth, um contorno sensível, falando de velhice e mortalidade.

“A Dama de Ferro”, um filme que vale pela atuação sensível e competente de Meryl Streep. A atriz concorre pelo retrato humano da ex-primeira-ministra britânica Margaret Thatcher, a primeira e única mulher a ocupar o posto de premiê na história do Reino Unido (de 1979 a 1990).

Confesso que resisti até os últimos minutos em ver “A Dama de Ferro”, uma das principais estreias da semana dos indicados ao Oscar 2012. Só de pensar em percorrer, quase duas horas, a história de uma figura política, me arrepiava. O que mudou minha decisão? Na última hora lembrei que uma grande amiga havia me sugerido a leitura da entrevista (sobre o filme) que Meryl Streep concedeu à Elaine Guerini, correspondente de Londres da Revista ISTOÉ.

Muito descontraída e bem humorada, Meryl Streep no auge dos seus 62 anos diz: “Se quero mais um?

Claro! Os que tenho estão cobertos de pó na prateleira da estante. Afinal já faz 30 anos que os ganhei’’, disse a bem-humorada atriz, referindo-se às estatuetas recebidas pela performance em “A Escolha de Sofia’’ (1982) e em “Kramer vs. Kramer’’ (1979), quando foi considerada a melhor coadjuvante.

Uma grata surpresa: o filme descreve a trajetória humana dessa controversa mulher, uma Thatcher frágil, vulnerável e reclusa, uma senhora na casa dos 80 anos acometida pela arrasadora demência senil. Quanta ironia da vida! Como imaginar a destemida primeira ministra britânica que tanto usou e abusou do seu cortante raciocínio, agora traída sem qualquer clemência pelos destinos da vida.

Confusa e vítima de alucinações, ela revisita os fatos mais marcantes de sua vida. Meryl explica porque aceitou o papel: “Não me interessaria por um filme político. É uma história sobre a dureza de envelhecer, mesmo quando no nosso íntimo ainda sentimos como se tivéssemos 20 anos.’’

Num diálogo tocante com seu médico sobre o “sentir” Thatcher idosa e sempre irreverente diz: “O que sou obrigada a sentir? As pessoas não ‘pensam’ mais. Elas ‘sentem’. ‘Como você está se sentindo?’ ‘Não me sinto confortável com aquilo.’ ‘Me desculpe, mas nós o grupo, estava sentindo…’ Sabe, um dos grande problemas da nossa época é que somos governados por pessoas que se importam mais com os sentimentos do que com pensamentos e ideias. Pensamentos e ideias, isso me interessa. Pergunte-me o que eu estou pensando.” E o médico obedece: “O que você está pensando, Margareth?” E a dama de ferro responde:

“Cuidado com seus pensamentos, pois eles se tornam palavras. Cuidado com suas palavras, pois elas se tornam ações. Cuidado com suas ações, pois elas se tornam hábitos. Cuidado com seus hábitos, pois eles se tornam seu caráter. E cuidado com seu caráter, pois ele se torna seu destino. O que nós pensamos, nós nos tornamos.”

Isabela Boscov na sua matéria para a Revista Veja diz: “A ideia que transpira do filme é, primeiro, mostrar Thatcher pelos olhos de Thatcher, o que o exime da tarefa delicada de julgar seu lugar na história.” Sim, a política está presente no filme, mas é retratada por uma mulher que lutou por uma posição num mundo reservado e permitido somente aos homens. Fiel às suas convicções, ele seguiu sem hesitar.

 

Fonte: Portal do Evelhecimento

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: